Estrelas e Totens

«Kublai Khan percebera que as cidades de Marco Polo eram todas parecidas, como se a passagem de uma para outra não envolvesse uma viagem  mas uma mera troca de elementos».[Italo Calvino]
 

O diálogo que a arquitetura contemporânea estabeleceu com o «estado das coisas» tem sido, em grande parte, um diálogo sobre cidades invisíveis. O star system da arquitetura desenvolveu-se em torno da crença num crescimento económico ilimitado, caracterizado por uma concorrência generalizada entre cidades com o objetivo de atrair, captar e fixar os recursos financeiros em circulação pelas correntes submersas da globalização. De alguma forma, os edifícios de Autor deveriam desempenhar uma missão quase mágica: deveriam ser como uma espécie de totem capaz de invocar e trazer à superfície a riqueza dispersa pelo globo. Mais coisa, menos coisa este é um dos princípios básicos do chamado «planeamento estratégico». Um pouco por todo o lado, a crença disseminou-se dando origem a uma indústria de projetos de grife, à volta da qual gravitam uma série de produtos (revistas, workshops, programas de televisão,…) que tratam de mediatizar o arquiteto, integrando-o na cultura popular. Do Dubai à mais modesta cidadezinha perdida no interior do país, os arquitetos foram convocados para erigirem obra e fazerem a magia. É claro que estávamos perante cidades que ainda não existiam ou que nunca viriam a existir sequer. Nem sempre o truque funcionava. Fantasias construídas para maravilhar colonizaram todo o globo. Até que um dia o dinheiro acabou e destas cidades invisíveis ficaram apenas os totens. Cada obra é única (algumas delas tornam-se monumentos, inclusive), mas o processo é sempre o mesmo.

*

«You never know what is enough until you know what is more than enough.» [William Blake]

Isto tudo parece que foi há muito tempo. Os tempos, agora, são outros e o mercado parece já não ter capacidade para alimentar o Autor. Há quem despeça colaboradores, há quem migre em busca dos mercados emergentes e há quem pura e simplesmente feche portas (ou pelos que ameace a tal). No resto do mundo civilizado, isto é, descapitalizado, o «estado das coisas» exige uma reconfiguração no que diz respeito à visibilidade do arquiteto e da sua obra. Seguindo as regras não escritas dos ciclos económicos e das respetivas atualizações dos padrões sociais de comportamento, a ostentação é condenada, a frugalidade elogiada e os exageros exorcizados. “Discrição é a nova visibilidade” diz-se agora. Para se chegar até aqui, foi necessário percorrer o caminho do excesso e do culto do autor. Em contraciclo, ao longo da segunda metade do século XX foram ganhando forma algumas propostas alternativas centradas nas questões ambientais e patrimoniais. Qualquer uma delas, propõe uma abordagem holística do objeto arquitetónico, reposicionando-o num contexto espacial, temporal e moral alargado. Este discurso inicialmente produzido a partir das margens da tendência dominante, acabou por suportar de uma forma mais ou menos explícita a base ideológica de uma nova prática arquitetónica. Neste caso, as margens tomaram conta do leito do rio e a consequência disso é que a figura da autor torna-se obsoleta no sentido em que o que interessa é o objeto e as suas relações com o meio. Não é o fim da arquitetura, mas de uma certa forma de se fazer arquitetura.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s