Expo 2010: arquitecto “satisfeito e honrado” com prémio para pavilhão de Portugal

O arquitecto português Carlos Couto disse hoje à agência Lusa sentir-se “satisfeito e honrado” com o prémio de design e arquitectura atribuído hoje, em Xangai, ao pavilhão de Portugal na Expo 2010 pelo Bureau International des Exhibitions (BIE).
Portugal foi distinguido entre os 42 pavilhões alugados do certame, enquanto nos 40 pavilhões construídos de raiz pelos participantes ganharam o Reino Unido (mais de 4000 metros quadrados) e a Finlândia (entre 2000 e 4000 metros quadrados).
Trata-se de um prémio que avalia a fachada e decoração exterior do pavilhão, o desenho arquitectónico, as técnicas de construção usadas e a sua relação com o tema da Expo2010, “Better City, Better Life” (Melhor Cidade, Melhor Qualidade).
Portugal ficou em primeiro lugar no grupo que reunia os países com pavilhões construídos pelos organizadores e depois alugados ou construídos pelos participantes mas com áreas inferiores a 2000 metros quadrados.
“É um prazer receber este prémio. Representa um reconhecimento, e sobretudo é importante pelo material utilizado na construção do pavilhão, que tem muito a ver com Portugal”, comentou o arquitecto sobre o edifício inteiramente revestido de cortiça.
Carlos Couto – que liderou uma equipa de 12 pessoas, quase a totalidade do próprio atelier – disse ainda que este foi o projecto que mais prazer lhe deu nos últimos 20 anos.
“É raro ter a possibilidade de fazer um pavilhão neste género, e, por outro lado, é fabuloso o número de visitantes que esta Expo teve. Tem a ver com o facto de ter decorrido na China”, avaliou, referindo-se ao facto de o certame, que encerra domingo, ter recebido mais de 72 milhões de visitantes.
Desde a abertura do certame, a 1 de Maio, o pavilhão de Portugal foi visitado por quase cinco milhões de pessoas, um recorde na história da participação portuguesa em exposições universais.
O arquitecto salientou ainda que a escolha da cortiça “foi uma boa aposta para divulgar este material pouco conhecido na região”.
A cortiça suscitou grande curiosidade sobretudo nos visitantes chineses, que tocavam e cheiravam o material e chegavam a retirar pedaços de cortiça dos painéis que revestiam o pavilhão, indicou Carlos Couto.
“Tivemos que substituir painéis várias vezes por estarem tão desgastados. Chegou-se a um ponto que desistimos de o fazer”, observou.
A Expo 2010 foi a maior exposição universal de sempre, com mais de 240 países e organizações internacionais, e também a mais concorrida.
O anterior recorde de afluência (64 milhões) durava desde a Expo de Osaka, em 1970.
Fonte – Jornal Público
Anúncios
Esta entrada foi publicada em 1. Imprensa, Blogosfera e Web, 8. Arquitectura e Engenharia com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s