Quadrilátero Urbano do Minho

XPQC1DD5C73226DF7273C88ZKU

Estão previstos projectos na zona Cávado-Ave, entre equipamentos de saúde, design, moda ou indústria de componente automóvel.

As quatro cidades minhotas que se uniram para formar o quadrilátero de desenvolvimento e inovação e criar um pólo de desenvolvimento regional vão receber quase 15 milhões de eurospara melhorar a competitividade e inovação.

As cidades de Braga, Vila Nova de Famalicão, Barcelos e Guimarões vão contar com um investimento de 14,9 milhões de euros destinados a melhorar a competitividade e inovação nesta região para criar um pólo de competitividade territorial e multissectorial. Trata-se da candidatura “Quadrilátero Urbano: competitividade, inovação e internacionalização”, cujo promotor é a Câmara de Braga.

Como principal objectivo pretende-se sistematizar uma experiência inovadora de políticas urbanas de base local, de forma a criar um pólo de competitividade associado a empresas, centros de investigação e instituições de formação que se comprometem numa parceria a desenvolver uma estratégia de desenvolvimento comum para atingir projectos inovadores.

Entre os projectos já definidos consta a criação de algumas oportunidades na zona Cávado-Ave, nomeadamente equipamentos de saúde, design, moda, indústria de componente automóvel, envolvendo empresas como a Aerosespacial, a CEEIA/TecMaia, e instituições como a Universidade do Minho. A acção vai contar com um apoio de 9,7 milhões de euros do FEDER, sendo a contrapartida nacional de 5,2 milhões de euros.

O Quadrilátero é um projecto urbano que pretende ser também um laboratório de novas práticas de governação e cooperação ajustadas a esta região. Algumas das acções a implementar estão relacionados com a instalação de uma malha regional de fibra-óptica, para sustentar serviços de interesse público, criar capacidade de exploração económica público/privada e apresentar um sistema integrado de mobilidade e de transportes inovador. A melhoria da produtividade está também na mira dos promotores da iniciativa que deverá estar em prática até 2013 nas várias cidades envolvidas.

O Quadrilátero está inserido no concurso Redes Urbanas para a Competitividade e Inovação, com cinco candidaturas já aprovadas no âmbito do Programa Operacional Regional do Norte (ON.2), e divulgadas ontem durante uma reunião da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN), em Vila Real. Estas candidaturas contam com um investimento total elegível de 53,9 milhões de euros, e a comparticipação comunitária de 34,7 milhões de euros. Entre os projectos constam ainda a Rede Ecocitras – Rede de Cidades Ecológicas, de Bragança, Chaves Monumental, a Sanjonet – Rede de Inovação de São João da Madeira e o Douro Alliance – Eixo Urbano Douro que envolve as cidades de Lamego, Peso da Régua e Vila Real.

O presidente da CCDRN, Carlos Lage, afirmou estar “verdadeiramente contente” com o ritmo de aprovação de candidaturas do Norte aos fundos estruturais que integram o Programa ON-Norte, onde se salientam várias candidaturas, como a criação de Centros Escolares, que dispõe de 200 milhões de euros, mais 300 milhões de euros para candidaturas de reabilitação e regeneração urbana dos centros de cidades e vilas. Já afectados estão cerca de 300 milhões de euros para incentivos à actividade empresarial, para as micro e pequenas empresas, destinados á investigação científica e tecnológica nas empresas. Este investimento servirá também para a qualificação das empresas com vista à sua internacionalização. Desta tranche consta outra tipologia de investimento destinada ao apoio à inovação. Estes três programas estarão concluídos antes de 2011.

O sector privado correu mais depressa do que o sector público aos fundos disponíveis, registando-se uma “mudança significativa” de atitude por parte dos empresários do Norte, admitiu Mário Rui Silva, da direcção do PON. A região continua aquém nas candidaturas de grandes empresas. Há o risco de algumas destas candidaturas ficarem pelo caminho por dificuldade em conseguirem arranjar o financiamento que lhe compete.

Também os municípios mostraram grande dinamismo, mas Carlos Lage lamenta que outras entidades públicas não tenham seguido o exemplo, uma vez que em matéria de água e saneamento básico e tratamento de lixos, “as verbas são elevadíssimas, mas estamos bastante atrasados e só agora as candidaturas estão a entrar no terreno”, referiu.

Fonte – Jornal de Notícias

Advertisements
Esta entrada foi publicada em 1. Imprensa, Blogosfera e Web, 3. Política e Cidadania com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Uma resposta a Quadrilátero Urbano do Minho

  1. Aproveito a oportunidade para divulgar uma página web que tenho vindo a desenvolver: http://www.bragavirtual.com

    Com os meus melhores cumprimentos.

    António Manuel Correia

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s