Ser 'mod' está (outra vez) na moda também em Portugal

Símbolo da Cultura "Mod" é inspirado na imagem utilizada pela Força Aérea Britânica
Símbolo da Cultura “Mod” é inspirado na imagem utilizada pela Força Aérea Britânica

O Diário de Notícias publicou na passada segunda-feira uma reportagem sobre a tribo urbana “mod”. O artigo refere que esta tribo está outra vez a crescer nesta sociedade contemporânea.

Podem visitar os seguintes sites (bastante interessantes sobre esta tribo) ou fazer uma pesquisa no youtube.

Modculture

Modrevival

É uma ( nova) tribo em Portugal porque o movimento nunca foi “importado”, mas a cultura mod já remonta a finais da década de 50.

O nascimento deste grupo esteve ligado aos filhos de operários que trabalhavam na indústria do vestuário. Eram, pois, descendentes de proletários que se interessavam por coisas aparentemente só de gente bem: as novas tendências da moda e também da música.

O epicentro desta causa que ultrapassava a política deu-se na década seguinte com a paixão por símbolos como as scooters (lambretas e vespas) ou as camisolas com um alvo ao centro. As motas eram o meio de transporte preferido, principalmente por serem mais baratas que os automóveis, mas também porque os transportes públicos encerravam demasiado cedo para quem queria nesses tempos sair à noite.

Os mods reuniam-se em pubs’ londrinos. Tal como agora: um grupo de revivalistas portugueses tem pontos de encontro em clubes como o Europa e concentra-se nas muitas festas que se organizam por cá.

Um dos “cabecilhas” deste grupo é Miguel Ângelo, dos agora extintos Delfins. O músico não vê revivalismo nos mods portugueses porque este “é um movimento modernista que se alimenta do presente, do futuro e do passado”. Ainda assim, e apesar de já em 1979 se juntar com os amigos para ouvir bandas como os The Jam em festas, reconhece que “nunca existiu um grupo de pessoas como agora”.

Os pilares fundamentais deste movimento não são apenas as festas em que se ouve desde os The Who à música soul das editoras Motown ou Stax. Há também lojas como a Twotonestore, em Cacilhas (Almada), a Graver Shop, na Rua da Madalena, em Lisboa, e a Lambretta Store, no Porto, que vendem produtos relacionados com a iconografia deste estilo. Não faltam as T-shirts com o referido alvo, os pins com as bandas da época, DVD e CD dos grupos que representam a cena mod.

Foi há quatro anos que uma série de apaixonados por este universo, entre os quais Miguel Ângelo, se juntou no bar A Outra Face da Lua para uma festa em que foi projectado Quadrophenia, dos The Who, a ópera rock que depois se transformou em filme e que é essencial para se compreender os mods.

Desde então, a “cena” mod ainda não parou de crescer em Portugal, defende o cantor. E, actualmente, “já há T-shirts dos The Who à venda na Springfield. E porquê, afinal? “Porque é uma onda com muito bom gosto.”

Advertisements
Esta entrada foi publicada em 1. Imprensa, Blogosfera e Web, 6. Sociologia Urbana, 7. Cultura Urbana. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s