Lançamento do Livro "A Rua da Estrada"

EA44_104px

No próximo sábado, 6 de Feveiro, é lançado na loja Vida Portuguesa na Rua Galeria de Paris, pelas 18h, o livro A Rua da Estrada da autoria de Álvaro Domingues que será com toda a certeza uma das minhas próximas leituras. Aconselho vivamente a leitura da reportagem do Jornal Público sobre este livro publicada no passado Domingo no suplemento Cidades.

A Rua da Estrada é um conceito que emerge sobre os escombros da dupla perda da «cidade» e do «campo» e da oposição convencional entre o «urbano» e o «rural». Da cidade, existe a ideia muito comum de que se trata ao mesmo tempo de uma forma de organização social (a polis ou a civitas) intensa e diversa que ocupa um território densamente construído, com uma forma, um centro e uns limites perfeitamente definidos. Esta imagem da cidade aparece como um «interior» confinado, rodeado pelos espaços extensivos e rarefeitos da agricultura, da floresta ou dos espaços ditos naturais. No mesmo registo, o rural seria o espaço da agricultura; agrícola porque maioritariamente dependente da economia agro-florestal, e rural, no sentido cultural, porque correspondente a estilos de vida e visões do mundo dominadas por um certo tradicionalismo atávico e pelo fechamento sobre si.

Nada mais falso. As transformações da agricultura e do rural são tão radicais, quanto as que se verificam nas cidades.

Hoje a urbanização progride a um ritmo avassalador e já não está exclusivamente dependente da aglomeração e da proximidade física entre as pessoas, os edifícios e as actividades. As infraestruturas “como a as estradas ou as redes de telecomunicações, água ou de energia“, percorrem territórios imensos que tornam possível um sem número de padrões de localização e de formas de organização social. O urbano é um «exterior» desconfinado e instável, por contraposição à imagem da cidade amuralhada.

A Rua da Estrada é a perfeita imagem desta metamorfose. Mais do que lugar, a Rua da Estrada emerge como resultado da relação, do movimento. O fluxo intenso que a percorre é o seu melhor trunfo e a sua própria justificação. Sem fluxo não há troca nem relação, génese primordial da velha cidade. Dizia-me alguém explicando as manobras de sedução que praticava para tornar o seu negócio visível para quem vai na estrada: «o problema é fazê-los parar».

Fonte – Dafne Editora

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 2. Agenda, 5. História Urbana, 6. Sociologia Urbana. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s