'Couchsurfing' ajuda a criar relações sociais

couchsurfingTese de mestrado estudou o fenómeno internacional das redes de hospitalidade gratuita – ‘Couchsurfing’.

Licenciado em Antropologia apresentou uma tese sobre o fenómeno do “couchsurfing” e concluiu que há cada vez mais pessoas a dormir em sofás emprestados para reforçar os laços sociais. Em Portugal, existem registados quase 20 mil “couchsurfers”

Devido à sua crescente popularidade, o “couchsurfing” já quase dispensa apresentações: trata-se de uma rede social da Internet que promove um serviço de hospitalidade gratuita a nível internacional a todo e qualquer membro que lá esteja inscrito.

O fenómeno atingiu dimensões consideráveis e até já há um jovem português que fez do “couchsurfing” o tema de uma Tese de Dissertação de Investigação em Antropologia: “O estudo das Relações Sociais no âmbito do ‘couchsurfing'”.

Segundo António Fernandes, 30 anos, licenciado em Antropologia, “o grande serviço prestado por esta organização é claramente a possibilidade dos seus membros estabelecerem um acordo relativamente a uma estadia gratuita, mas esta componente é apenas a ponta do iceberg da realidade ‘couchsurfing'”.

Como tal, António Fernandes, preferiu debruçar-se no estudo das “inúmeras actividades – meetings – desenvolvidas entre o seus membros, tais como os convívios espontâneos” entre muitos outros.

Após cerca de 40 meses como Couchsurfer, uma das várias conclusões a que António Fernandes chegou foi a que “existe um número significativo de membros que utiliza a plataforma do ‘couchsurfing’ pela questão lúdica dos meetings”. Ou seja, se à partida seria de esperar que esses “meetings” não passariam de meras actividades paralelas à dinâmica da rede, o jovem português conclui que “estes meetings assumem uma profunda importância” uma vez que “é através destes encontros que se consegue congregar num só palco ‘couchsurfers’ com distintos objectivos e motivações na rede”.

Existem actualmente 18236 membros inscritos em Portugal, sendo 4696 de Lisboa. O grupo de Lisboa é, assevera o estudo, “o mais dinâmico ao nível dos meetings espontâneos”. António Fernandes assevera que neste grupo “é possível assistir a um verdadeiro frenesi de sociabilidade mediada” e que “os membros interagem entre si através de inúmeros posts com temas diversos”.

“Muitos deles são verdadeiros convites em forma de meetings com o objectivo de agrupar ‘couchsurfers’ num determinado local e hora”, explica ainda, ressalvando, que “na sua generalidade não são encontros exclusivos a couchsurfers uma vez que, na maioria, decorrem em espaço público”.

António Fernandes constata ainda que “o convívio entre os membros é o principal factor de atracção na adesão de um dado meeting” e que são visíveis “indícios de toda a subtileza que o ‘couchsurfing’ promove em termos de sociabilidade”. “Há nesta sociabilidade uma identificação comum”, observa. Todavia, e ainda que a componente de festa, convívio, borgas e noitadas tenha um papel relevante, convém não esquecer que “a filosofia do ‘couchsurfing’ tem em vista a criação de um mundo melhor”.

Fonte – Jornal de Notícias

Consultem ainda este site.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em 1. Imprensa, Blogosfera e Web, 6. Sociologia Urbana, 7. Cultura Urbana. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s