Marketing territorial da Grande Área Metropolitana do Porto

Desde Agosto de 2008 foi assumida pela Associação de Municípios da nova Área Metropolitana do Porto a promoção conjunta da região actualmente designada por NUT III do Grande Porto e Entre Douro e Vouga. Para além desta decisão dois novos municípios ingressaram na área metropolitana: Vale de Cambra e Oliveira de Azeméis.

A Área Metropolitana do Porto é composta por 16 municípios (Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa do Varzim, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, São João da Madeira, Trofa, Vale de Cambra, Valongo e Vila Nova de Gaia), ocupa uma área de 1.885,10 km2 e conta com uma população aproximada de 1.673.000 habitantes (INE, 2005). Esta sub-região é a mais populosa do país (35%) do total e, em termos geográficos, representa apenas 9% da área da Região Norte.

A grande Área Metropolitana do Porto é claramente a região mais marcante, contudo, a região Norte apresenta “um sistema urbano policêntrico com o Porto a mostrar dificuldades em manter a sua centralidade, partilhando-a com outras centralidades metropolitanas e regionais” (PROT-N).

Esta particularidade será interessante para a análise a que nos propomos. Detalhar o projecto de marketing territorial para o Porto e de que forma esta marca se insere num projecto ainda maior: Norte de Portugal. O Porto, enquanto cidade, tem perdido hegemonia, enquanto região, tem ganho a todos os níveis. A entrada, em 2005, de municí­pios como S. João da Madeira, Santa Maria da Feira ou Trofa vieram aumentar os índices regionais. Por isso, “os tempos que se avizinham constituem um desafio e uma oportunidade, no que ao desenvolvimento territorial se refere” (Programa Territorial de Desenvolvimento 2007-2013. (NUTS III do Grande Porto e de Entre Douro e Vouga).

O primeiro documento estratégico que refere a GAMP como região com a mesma visão política foi o Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) de 2006. Este plano pretende traçar as principais directrizes do turismo em Portugal até 2015 dividindo o país em regiões estratégicas. Para aumentar o número de visitantes foram identificados 10 produtos passíveis de serem desenvolvidos no território nacional: Gastronomia e Vinho; Touring Cultural e Paisagístico; Saúde e Bem-estar; Turismo de Natureza; MICE; Turismo Residencial; City/Short breaks; Golfe; Turismo Náutico; Sol & Mar. Não entraremos na explicação de cada um deles, apenas o faremos nos casos específicos da região em análise. De acordo com os objectivos do PENT o Porto e o Norte deverão atingir em 2015 entre 3,1 a 3,3 milhões de dormidas estrangeiras, crescendo a uma taxa média anual de 8,5% e as receitas dos estabelecimentos hoteleiros deverão crescer a um ritmo anual de 11%, aumentando 155% face a 2006 (PENT). A Área metropolitana do Porto ainda não se assumiu como um importante destino turístico no contexto nacional. No contexto das 11 metrópoles ibéricas, ocupa apenas a 7ª posição em termos de capacidade de alojamento em hotéis de 4 e 5 estrelas (Programa Territorial de Desenvolvimento 2007-2013. (NUTS III do Grande Porto e de Entre Douro e Vouga).

Para a Região Norte o PENT destaca como produtos estratégicos: Turismo de Negócios; City Break Porto; Turismo de Natureza; Turismo Náutico; Gastronomia e Vinhos; Turismo de Saúde e Bem-Estar; Touring Cultural; Golfe. Dentro destes produtos destacam-se os subprodutos: Porto; Vinhos; Património Mundial e Cidades e Vilas Históricas; Parques Naturais, Rios e Albufeiras; Ruralidade e Paisagem; Cultura popular, Tradições e Artesanato; Termas (FAZENDA, Nuno, ALEGRIA, Estela, BRAGA, Tânia e GOMES, Josefina “Plano de Acção para o Desenvolvimento Turístico do Norte de Portugal). O PENT destaca ainda como eixo estratégico prioritário destaca-se neste território o Douro. Este produto é considerado estratégico para desenvolvimento de um pólo de atracção turística. Como produtos deste eixo estratégico destacam-se o Alto Douro Vinhateiro; Rio Douro; Vindimas e tradições associadas; Aldeias Vinhateiras e Quintas; Parques naturais e Albufeiras; Gastronomia e vinhos do Douro e Porto; Património histórico-cultural; Parque arqueológico do Côa. Relativamente à região em análise destacam-se: Denso e rico Património Histórico, Artístico e Arquitectónico; Caves do Vinho do Porto e barcos rabelos; Cultura e conhecimento; centro económico e empresarial; pólo de congressos, convenções e seminários; eventos de animação; Foz do Douro e orla costeira. Com base dos recursos específicos de cada região foram desenvolvidos 10 produtos já expostos anteriormente. Para a região Porto e Norte foram considerados: produtos de 1º nível: Touring; City/Short Breaks; de 2º nível: Turismo de Natureza; 3º nível: Turismo de Negócios; Gastronomia e vinhos; 4º nível: Saúde e Bem-estar. O PENT destaca os factores distintivos de cada um destes produtos para a região em análise. Relativamente ao City Breaks: Cidades com Escala humana e autênticas; Vinho do Porto (caves); Arquitectura contemporânea. Touring/Turismo Natureza: Património cultural e paisagístico; Quinta de Vinho do Porto; Rio Douro; Cruzeiros no Douro; Parques naturais; Património Arqueológico do Vale do Côa. Turismo de Negócios: Oferta hoteleira de referência centrada na Boavista no Porto; Interesse cultural e eno-gastronómico do Porto. Saúde e Bem-estar: Qualidade gastronómica; Notoriedade do Vinho do Porto; Qualidade e diversidade das águas termais (PENT).

A primeira análise destes dados remete-nos para uma concentração dos produtos turísticos entre os municípios de Vila Nova de Gaia e Porto. Aqui surge a primeira dicotomia regional na Grande Área Metropolitana do Porto. Em termos turísticos que benefícios têm Vila Nova de Gaia e Porto com a promoção conjunta e, provavelmente, em pé de igualdade, com mais 14 municípios? Em termos de promoção da oferta turística julgamos que é de todo vantajoso. Primeiro porque aumenta os recursos financeiros para a estratégia de marketing. Segundo porque existe uma prévia coordenação dos produtos a serem promovidos e certamente as directrizes dos planos estratégicos nacionais será cumprido. Terceiro porque alguns municípios têm ofertas turísticas que complementam os produtos existentes em Vila Nova de Gaia e Porto. Santa Maria da Feira com a sua aposta na cultura com eventos como Viagem Medieval em Terra de Santa Maria, Imaginarius, Festival para Gente Sentada, Semana Santa e mais recentemente Terra dos Sonhos (evento natalício que se irá realizar entre os dias 10 e 22 de Dezembro) ou Oliveira de Azeméis com o seu Parque Histórico de La Sallete ou S. João da Madeira, recentemente classificada como segunda cidade do país com melhor qualidade de vida, com o seu parque natural contemporâneo, com o Museu da Chapelaria, com o futuro pólo de Serralves ou Arouca com o seu Geoparque, com as suas aldeias históricas, com a sua Serra da Freita. Obviamente são subprodutos que fornecem diversidade a uma marca que se tenta impor no mercado internacional – Porto. Talvez a pergunta que se coloca é mais no sentido de: o que ganham os municípios da Grande Área Metropolitana a promoverem-se como Porto? Não estarão a perder identidade?

Em relação à primeira questão a promoção conjunta é extremamente vantajosa. O argumento mais forte é o financeiro. Estes municípios têm oportunidade de promover o seu património em mercados até agora inatingíveis. Ou seja, o município da Trofa poderá ver um evento que realize e o seu património publicitado juntamente com as caves do vinho do Porto e o Centro histórico do Porto numa feira de turismo internacional. Para além disso, a criação de uma agenda cultural única chegará a um maior número de públicos e que poderão significar maior número de visitantes. Em termos de identidade os municípios integrantes serão compelidos a promoverem-se como Porto. As suas gentes poderão não perceber essa mudança estratégica em termos de marketing territorial e sentirem que o património imaterial se está a desvanecer.

Esta última análise servirá para as próximas reflexões. A primeira é relativa à divisão física das cidades. Aquando da euforia das 7 Maravilhas do Mundo e também de Portugal foi lançado um guia das Maravilhas de Portugal e encontramos a seguinte descrição acerca do Porto: “hoje não faz sentido tratar a cidade do Porto como uma entidade isolada. Há uma teia de relações, tanto culturais, como comerciais, bem como uma continuidade urbana que aconselha a considerar uma área metropolitana estendendo-se até Espinho [Oliveira de Azeméis actualmente] a sul, e englobando na Margem direita do Douro, Matosinhos e Maia, para além de Gondomar, Valongo, etc.” Alguns guias turísticos quando referem a Cidade do Porto extravasam as fronteiras legais e políticas. Permita-me uma reflexão. Não estarão as Cidades, nos seus moldes tradicionais, em risco? Quando pensamos em Lisboa e obviamente na sua cidade quebramos a barreira política e a cidade estende-se até à periferia. Da mesma maneira, “a instalação, aplicação e desenvolvimento desta orientação urbana desencadeou, entretanto, um conjunto de novas dinâmicas sociais e urbanas (MENESES, Marluci). Quando pensamos em cidades europeias como Madrid ou Paris as fronteiras da “Cidade” cultural e identitária extravasam as fronteiras administrativas. Nos projectos e documentos estratégicos referem-se regiões ou pólos para identificar as cidades. No caso do Porto a situação repete-se. O Porto é uma região e não apenas uma cidade. “O Porto é visto e dá-se a ver como uma cidade portuguesa, como a «capital» de um determinado Portugal: «O Porto é uma nação» (FORTUNA, Carlos e PEIXOTO, Paulo). Esta região é composta por diferentes cidades. Ao longo dos séculos as cidades foram crescendo empurrando as suas fronteiras a cada passo de adultice como se de um ser vivo se tratassem mutando-se e transformando-se. “A Cidade é um «local grandioso» uma libertação, um novo mercado e também uma nova opressão” (LYNCH, Kevin). Para não se transformar numa Cidade claustrofóbica, as fronteiras são obrigadas a avançar num espírito de conquista.

A dúvida que se coloca nesta análise é: será que estes novos territórios conquistados se querem promover como Porto e serem absorvidos pela cidade “mui nobre e sempre leal”? Vejamos um caso concreto: “Engana-se redondamente quem pensar que Vila Nova de Gaia é um mero subúrbio do Porto. Nestes últimos anos a cidade evoluiu, ganhando personalidade e requalificando uma série de zonas. (…) Gaia ganhou uma série de serviços e uma vocação sem paralelo nesta área comercial” (Guia das Maravilhas de Portugal). Numa análise mais aprofundada, não compatível com este ensaio, poderíamos identificar um amor-próprio regional nos folhetos publicitários compatível com o orgulho bairrista dos seus habitantes. Esta característica emancipa-se quando os discursos políticos penetram na vida dos habitantes. Até às últimas legislativas o Presidente da Câmara de Matosinhos jamais iria considerar-se Porto ou o Presidente de Gondomar será sempre gondomarense e não portuense. Em termos históricos existiu uma ligação secular territorial e administrativa do Entre Minho e Douro. Aliás, desde o iní­cio da nacionalidade as grandes famílias do Condado Portucalense pertenciam a esta região. Por isso, as maiores dificuldades serão a ligação, mesmo histórica, entre os territórios do Entre Douro e Vouga e do Entre Douro e Minho. Não existem muitas ligações identitárias entre os municípios do EDV e do Grande Porto. Seria interessante realizar um inquérito aos munícipes dos 16 territórios para perceber quais as suas percepções acerca da união territorial e da marca Porto. Como analisamos anteriormente o município do Porto tem vindo a perder potencialidades em termos económicos e sociais face aos novos municípios da periferia. A pergunta que se coloca é: a cidade do Porto precisa de se assumir como a cidade das cidades (BORJA) ou deve apostar num “sistema urbano policêntrico, uma região de cidades” (Programa Territorial de desenvolvimento 2007-2013. (NUTS III do Grande Porto e de Entre Douro e Vouga)? As propostas governamentais são de ter uma mistura das duas opções. Em termos turísticos a imagem da Região será o Porto e mesmo que o património não pertença à cidade será publicitado como se pertencesse. Em termos administrativos muitos serviços serão transferidos e/ou reforçados nos municípios vizinhos. Poderá ser uma temática interessante para explorar futuramente.

Outra apreciação interessante para a temática seria a dos sites de cada município pertencente à Grande Área Metropolitana do Porto. Numa observação não muito profunda pesquisamos as informações referentes ao turismo em cada site dos 16 municípios e quais as referências acerca da marca “Porto”. Vejamos: Arouca – não faz referência à marca Porto não do turismo nos municípios vizinhos. Tem um link específico sobre a temática em que apresenta toda a informação pertinente sobre a Cidade: Espinho – tem um site específico sobre a temática, onde apenas são apresentadas especificidades da Cidade; Gondomar – apenas contém informações sobre o município e nenhuma referência à Grande Área Metropolitana do Porto; Maia – possui um excelente site de turismo (não esquecer que a Maia é uma cidade digital), mas apenas faz referência aos locais de interessa da cidade sem qualquer especificidade do Porto; Matosinhos – não faz referência à GAMP e apresenta apenas as particularidades dos municípios; Oliveira de Azeméis – não faz referência ao turismo no município nem à presença na GAMP; Porto – tem site próprio de turismo com referências específicas sobre a cidade e com destaque a produtos específicos do Norte como o vale do Douro. Especificamente sobre a GAMP não existem conteúdos; Póvoa do Varzim – tem um link sobre turismo apenas com as especificidades da Cidade e sem qualquer referência sobre o Porto; Santa Maria da Feira – referências dos locais a visitar e eventos que realiza sem qualquer aspecto sobre a GAMP; Santo Tirso – link específico sobre turismo com destaque sobre o município e nada referente à marca Porto; São João da Madeira – não tem um link específico sobre turismo, mas tem referência aos locais a visitar na cidade. Não tem qualquer destaque sobre a GAMP; Trofa – tem um pequeno link sobre turismo em que apresenta as festas e romarias da cidade e sem qualquer referência sobre a GAMP; Vale de Cambra – link específico sobre turismo do município sem qualquer menção sobre a GAMP; Valongo – link sobre o turismo no município e sem alusão à marca Porto; Vila Nova de Gaia – site específico sobre o turismo em Vila Nova de Gaia com informações sobre os produtos turísticos locais e interligação com outros produtos como o Rio Douro.

Apenas o site da Área Metropolitana do Porto refere alguns aspectos da promoção conjunta. Vejamos: Constitui preocupação da Área Metropolitana do Porto a promoção da sustentabilidade dos sectores da Cultura, do Património e do Turismo, nomeadamente:

Apoiar a constituição de redes de equipamentos e a própria programação cultural, integrando nas actividades escolares espaços criativos e formativos nos domínios culturais e artístico (através de programas de generalização da promoção da cultura nas escolas) e promovendo programas dirigidos à qualificação dos recursos humanos que trabalham no sector.

Apoiar a recuperação do Património, promovendo a sua recuperação, criando modelos de fruição e de animação cultural e revelando nacional e internacionalmente as marcas arquitectónicas da AMP deixadas pelos seus arquitectos.

Criar condições para o desenvolvimento das potencialidades das NUTS, nomeadamente no que se refere ao turismo cultural, da natureza, agro-turismo e turismo ecológico.

Afirmar a “Marca Porto” e “Destino Porto” como motores da AMP e centro cultural na Europa e promover “Porto, Cidade da Ciência”.

Por esta análise percebemos que nenhum dos municípios está preparado ou pretende promover-se como Porto, apesar de assumirem essa estratégia conjunta na Associação de Município do Porto. Uma análise mais profunda poderia compreender as políticas locais e as razões desta situação. Seria também interessante auscultar que outras marcas são promovidas pelos municípios integrantes as GAMP, como cidades educadoras ou criativas, ou que capitais nacionais existem ou mesmo que municípios têm cidades geminadas.

Partindo da visão estratégica do Turismo de Portugal para o Norte o Porto assume-se como elemento desencadeador de atractividade. Na publicidade promovida pelo organismo estatal de turismo surge a marca “Porto e norte”. Um estudo realizado pelo Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo revela qual a mensagem base que esta marca deverá ter: “Porto & North: The Essence of Portugal”. Este estudo apresenta ainda algumas estratégias de marketing dos principais produtos da região.

Para o City Breaks propõem: “estratégia de retenção dos visitantes actuais através da criação de relações, por exemplo, criando programas de fidelização com entidades e empresas (hotéis, casas de espectáculos e transportadoras) da Região”;

Touring Cultural: “aumentar o número de visitas deste segmento, através de promoção de produtos em regime de cross-selling entre as quatro sub-regiões (por exemplo entre a Casa da Música e o Centro Cultural Vila Flor), bem como de eventos culturais realizados com alguma periodicidade. O posicionamento diferencial com base no património surge como o meio de atrair visitantes de outras regiões já consolidadas neste produto”;

Gastronomia e vinhos: “atrair visitantes diferenciando-se o Porto e Norte de Portugal por intermédio do Vinho do Porto e do Vinho Verde e da ligação entre estes e alguns produtos gastronómicos regionais, fazendo com que as experiências sejam autênticas e interactivas”;

Turismo de Natureza: “aumento do número de visitantes e a sua vontade de visitar devido à diferenciação e qualidade das áreas protegidas da Região; e também fazendo com que eles visitem mais vezes a Região, apostando na dimensão e na oferta complementar de actividades de animação”;

Turismo de Negócios: “apostar em congressos de média dimensão e num posicionamento frontal, ou seja, oferecendo o que os concorrentes oferecem (infra-estruturas básicas) mas indo mais além com as ofertas complementares”;

Turismo Náutico: “incentivar a procura primária, aumentando o número de operações, promovendo a organização e adaptação do produto aos timings dos visitantes. Quanto à procura selectiva, deve ser assumido um posicionamento diferencial, comunicando a diversidade e as características únicas da Região, apostando na beleza e património únicos da Região”;

Golfe: “procurar aumentar a capacidade de visita, e isto pode ser conseguido através da diversidade que o jogador de golfe procura. Ainda, e numa abordagem como produto complementar ao city-break, negócios, gastronomia e vinhos, poderá igualmente funcionar como diferenciador relativamente a outros destinos”;

Saúde e Bem-Estar: “tem como ponto forte a água termal, que sendo única, o diferencia. Neste caso, este deverá ser o factor de atracção para aumentar o número de visitantes, devendo também ser oferecido como produto complementar aos restantes produtos da Região e criando assim uma mais-valia para todos”;

Shopping: “propõe-se uma estratégia de procura primária, aumentando a vontade da visita, através da promoção da relação qualidade/preço e da elevada quantidade e diversidade de oferta, em especial na Área do Grande Porto. Sugere-se ainda que seja adoptada uma estratégia de produto complementar relativamente aos produtos city-break e negócios”;

Para implementação do projecto de marketing territorial, o estudo sugere uma série de acções específicos (ver Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo – Porto e Norte de Portugal – Estratégia de Marketing Turístico 2008).

Contudo, no site específico de promoção turística português, a Região Norte termina em Santa Maria da Feira, deixando de fora do território municípios como Arouca, Oliveira de Azeméis e Vale de Cambra, que pertencem à Grande Área Metropolitana do Porto representados no site como pertencentes à Região Centro. São estas questões que estão por resolver. Existem informações contraditórias dentro dos projectos específicos dos territórios. Existem demasiados organismos com tutelas sobre o Turismo e com projectos possivelmente incompatíveis. Esse seria outro assunto extremamente interessante para análise. A relação existente entre os diversos projectos existentes e que tipo de sinergias são criadas. Apenas como tipo exemplificativo enuncio alguns projectos turísticos ou com índole turística para a região Norte. Projecto Porto e Norte de Portugal; Porto; Guimarões Capital Europeia da Cultura 2012; Rota do Românico Vale do Sousa; Douro; Aldeias Vinhateiras do Douro; Vinho Verde; Rota da Terra Fria; Termas no Norte; Cluster de Indústrias Criativas na Região do Norte; Até que ponto estes projectos são compatíveis? Existe alguma relação entre eles? De que forma se explanam no território? Questões para análise num outro ensaio.

Para última reflexão deixamos o que consideramos ser o melhor rumo da marca “Porto”. O Turismo Cultural tem crescido categoricamente desde final do século passado. “Faz parte da nossa essência o desejo vital de visitar e conhecer as diferentes manifestações do património natural, histórico-monumental e cultural. (…) O crescente interesse pelos valores patrimoniais e a democratização da cultura, o aumento do nível de instrução, o aumento da esperança de vida, a modernização e o maior alcance das ferramentas promocionais são algumas das tendências sociais que suportam estas afirmações de incremento e procura do Turismo Cultural” (VARELA, Jesus – Uma nova geração de turistas in O Turismo em 2008). Todas estas vertentes deste novo segmento estão claramente vincadas no Porto. Como já analisamos anteriormente a Área Metropolitana em análise tem um conjunto diversificado de património edificado, possui um leque especializado de espaços de cultura, detém uma marca consagrada internacionalmente, o vinho do Porto. “Símbolo de uma região, é também símbolo de uma imagem internacional da cidade” (FORTUNA, Carlos e PEIXOTO, Paulo). Transversal a todas estas características está uma das simbologias mais referenciadas pelos turistas e visitantes “a hospitalidade, um carácter tão frontal quanto honesto, é supostamente reconhecido onde quer que esteja” (FORTUNA, Carlos e PEIXOTO, Paulo).

Num trabalho efectuado em 2002 pelos sociólogos e professores universitários Carlos Fortuna e Paulo Peixoto foram realizados inquéritos aos moradores do Porto e foi traçado o perfil cultural da Cidade. Quanto à auto-representação da cidade pelos seus habitantes, 76,2% refere o Centro histórico como principal elemento identitário. Quanto à palavra que melhor caracteriza os seus habitantes 52,5% dizem Tripeiros, 23,9% Portuenses e 20% Hospitaleiros. Em relação aos monumentos que melhor identificam o Porto, 72,5% dos seus habitantes refere a Torre dos Clérigos e 47,1% a Sé. Quanto à importância das instituições, 39,5% consideram a Câmara como mais importante e 25,1% o Futebol Clube do Porto. Este fenómeno é bastante interessante relacionando-o com a simbologia que o Porto é a capital do Norte e difunde “uma imagem de cidade contestatária do centralismo de Lisboa em que o herói local é portuense, aquele que afirma a especificidade da cidade, que promove os seus sinais de «bairrismo», e que está disposto a ser um guerreiro omnipresente na defesa do carácter e dos interesses locais” (FORTUNA, Carlos e PEIXOTO, Paulo). Esta é a imagem que se pretende transmitir do Norte de Portugal. Uma região desafiadora que tem as suas peculiaridades e especificidades com o seu epicentro no Porto. O crescimento da oferta cultural deu-se na cidade do Porto nos “anos noventa. Uma época de expansão nos domínios cultural e artístico que se estendeu da criação à construção e renovação de equipamentos, passando pela formação artística e técnica e pelo crescimento e alargamento dos financiamentos” (PRAÇA, J. Henrique in A Cultura em Acção).

Regressando ao Turismo Cultural e Criativo, “o consumidor deste produto turístico tem inerente a motivação de conhecer uma cidade e de desfrutar das diversas atracções que esta oferece e, para isso, realiza uma estadia, normalmente de curta duração, para visitar a cidade” (Programa Territorial de Desenvolvimento 2007-2013. NUTS III do Grande Porto e de Entre Douro e Vouga). Este segmento encontra-se em grande expansão e crescerá anualmente entre 12% a 15%. Para o crescimento do sector no Porto para mim contribuirá a expansão do aeroporto Francisco Sá Carneiro (viagens de low-cost) e a capacitação do Porto de Leixões para grandes navios-cruzeiro.

Julgamos que este será o sector mais atractivo para o Porto, mas como foi referido anteriormente, a centralidade de produto estará na foz do Douro entre os municípios de Vila Nova de Gaia e o Porto. Todos os restantes 14 municípios terão de ser um complemento a este centralismo apostando numa rede de eventos e de espaços culturais como museus, parques urbanos ou centros culturais. Desta forma poderá ser criada uma “rede cultural urbana” (SILVA, Augusto).

A marca Porto tem enormes potencialidades num mercado internacional fortíssimo em que a imagem vai sendo moldada e consolidada pelo marketing intenso e certeiro. Mas o marketing apenas publicitará produtos já desenvolvidos e com qualidade. Para além disso é necessário a criação de sinergias intermunicipais e um trabalho estrutural em rede. Do ponto de vista internacional e partindo de um plano geral para um plano particular, existirá promoção nos mercados internacionais das marcas Portugal (poderá existir uma marca ainda mais superior a Ibéria – ver Turismo em 2008); Porto e norte de Portugal; Porto; promoção municipal. Ou seja, a Grande Área Metropolitana do Porto fará diversos tipos de promoção e um trabalho interessante seria perceber em que contextos são definidas as marcas promovidas. O Porto deverá fazer “uma aposta no turismo cultural, no marketing da cidade, no aproveitamento de eventos culturais ou aparecimento de infra-estruturas culturais emblemáticas. A aposta neste segmento tem levado muitas cidades, outrora com centros degradados e tendências preocupantes de perda de vitalidade, a alterar drasticamente o rumo dos seus destinos. São estas as cidades culturais preferidas do mundo global, tais como Barcelona, Berlim, Atenas, Bilbao, entre muitas outras” (Agenda Regional das Indústrias Criativas – Desenvolvimento de um Cluster de Indústrias Criativas na Região do Norte). Na visão deste estudo referenciado, o Turismo Cultural deverá transformar-se em Turismo Criativo. A criatividade atrai empresas e indivíduos do sector cultural, gerando efeitos multiplicadores importantes na economia local e elevando o valor e a consciência estética da produção criativa nos destinos. “Assim, o Turismo Criativo é uma evolução da experiência tradicional de turismo na procura de formas de consumo que enfatizam o desenvolvimento pessoal”.

Por estes motivos, julgamos que a marca “Poro” deve transformar-se num destino de Turismo Cultural e Criativo e ter a perfeita noção “que a imagem da cidade condiciona fortemente a sua procura e que as políticas de marketing urbano encaram os diversos utentes da cidade na mesma lógica com que a publicidade encara os consumidores a quem é necessário persuadir” (PEIXOTO, Paulo).

Bibliografia

– Agenda Regional das Indústrias Criativas – Desenvolvimento de um Cluster de Indústrias Criativas na Região do Norte. Porto, s/d.

– AGUIAR, José – Cor e cidade histórica: estudos cromáticos e conservação do património. Porto, 2002.

– ASCHER, François – Metapolis. Acerca do futuro da cidade. Oeiras, 1998.

– BARREIRA, Irlys – Os guias turísticos em Berlim. São Paulo, 2005.

– COSTA, António – Sociedade de bairro. Dinâmicas sociais da identidade cultural. Oeiras, 1999.

– Dinâmica do Turismo na Grande Área Metropolitana do Porto 1994-2004.

– DOMINGUES, Álvaro, SILVA, Isabel, LOPES, João e SEMEDO, Alice – A Cultura em Acção – Impactos sociais e territoriais. Porto, 2003.

– FAZENDA, Nuno, ALEGRIA, Estela, BRAGA, Tânia e GOMES, Josefina – Plano de Acção para o Desenvolvimento Turístico do Norte de Portugal. Coimbra, Abril 2008.

– FERREIRA, João – Globalização e Urbanização Subdesenvolvida. São Paulo, 2000.

– FORTUNA, Carlos – Cidade, cultura e globalização: ensaios de sociologia. Oeiras, 1997.

– FORTUNA, Carlos e SILVA, Augusto – Projecto e circunstância – Culturas Urbanas em Portugal. Porto, 2002.

– GROSTEIN, Marta – Metrópole e Expansão Urbana: a persistência de processos “insustentáveis”. São Paulo, 2001.

– Guia das Maravilhas de Portugal. s/l.ed, 2007.

– HONORÉ, Carl – O movimento slow. Lisboa, 2004.

– Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo- Porto e Norte de Portugal – Estratégia de Marketing Turístico 2008. Porto, 2008.

– LYNCH, Kevin – A boa forma da Cidade. Lisboa, 1981.

– LYNCH, Kevin – A Imagem da Cidade. Lisboa, 1977.

– MARTINS, Natalina – PROVERE. Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos. Lisboa, Abril 2008.

– MARTINS, Natalino, DOMINGOS, Estela, RIBEIRO, Félix e CARVALHO, Paulo – NORTE 2015 Competitividade e Desenvolvimento – Uma Visão Estratégica. Porto, Fevereiro 2006.

– MENESES, Marluci – Mouraria, Retalhos de Um Imaginário. Oeiras, 2004.

– PICCINI, Mabel – Sobre a comunicação nas grandes cidades. Campinas, 2003.

– PINTO, Maria – Caracterização da Região do EDV. Santa Maria da Feira, 2007.

– Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT). Lisboa, 2007.

– Política de Cidades Polis XXI – Redes Urbanas para a Competitividade e a Novidade. Lisboa, Março de 2008.

– Programa Territorial de Desenvolvimento 2007-2013. NUTS III do Grande Porto e de Entre Douro e Vouga Vol. 02 Diagnóstico Prospectivo. Porto, Abril 2008.

– Proposta de Programa Operacional Regional Do Norte 2007-2013 [FEDER]. Porto, Setembro 2007.

– Sistema de Indicadores Abril 2007: Nova Grande Área Metropolitana do Porto. Porto, 2007.

– Turismo em 2008. Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), Espargo, 2008.

– WESTPHAL, Márcia – O Movimento Cidades/Municípios Saudáveis: um compromisso com a qualidade de vida. São Paulo, s/d.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas . ligação permanente.

6 respostas a Marketing territorial da Grande Área Metropolitana do Porto

  1. Pingback: Artigo – Marketing territorial da GAM Porto « Conexão

  2. excelente. não percebi se a autoria do texto é sua.
    de qualquer forma dá-me bastante jeito para o podcast que vou gravar sobre a relação braga – porto (http://oportoemconversa.wordpress.com/)

  3. O texto é da autoria de Tiago Santos, novo colaborador do 5ªCidade.

  4. Pingback: Branding Territorial – Os logotipos « Dreamfeel – Joao Ledo Fonseca

  5. Pingback: Marketing e Branding Territorial « Dreamfeel – Joao Ledo Fonseca

  6. Pingback: Artigo – Marketing territorial da GAM Porto « URBSCAPE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s